01 de Março de 2024.

  • ico-capa-01-facebook.png
  • ico-capa-01-twitter.png
  • ico-capa-01-whatsapp.png

Geral Quarta-feira, 09 de Agosto de 2023, 08:02 - A | A

Quarta-feira, 09 de Agosto de 2023, 08h:02 - A | A

Operação Constituição Cidadã

Ex-diretor da PRF, Silvinei Vasques, é preso por interferência nas eleições de 2022

Ex-diretor-geral da PRF foi detido preventivamente

Lucione Nazareth/Fatos de Brasília

A Polícia Federal prendeu nesta quarta-feira (09.08), em Florianópolis (Santa Catarina), o ex-diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Silvinei Vasques, durante operação que apura interferência no 2º turno das eleições de 2022. O mandado de prisão foi autorizado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes.

Silvinei é investigado pelo Ministério Público Federal (MPF) por improbidade administrativa por suposto uso indevido do cargo. Na ação, o MPF acusa o ex-diretor de ter favorecido a candidatura do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) durante a campanha eleitoral do ano passado.

Leia Também - Diretor-geral da PRF vira réu por pedir votos para Bolsonaro

Em nota divulgada nesta quarta (09), a PF informou que Silvinei foi preso na Operação Constituição Cidadã para apurar se integrantes da PRF teriam direcionado “recursos humanos e materiais com o intuito de dificultar o trânsito de eleitores no dia 30 de outubro 2022”.

Além da prisão do ex-diretor da PRF, foram cumpridos ainda 10 mandados de busca e apreensão no Rio Grande do Sul, Distrito Federal, Santa Catarina e no Rio Grande do Norte contra diretores da PRF na gestão Silvinei.

Os alvos foram: Luis Carlos Reischak, ex-diretor de Inteligência; Rodrigo Hoppe, ex-diretor de Inteligência Substituto; Wendel Benevides, ex-corregedor-geral; Bruno Nonato, ex-PRF e hoje na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT); Anderson Frazão, ex-coordenador-geral de Gestão Operacional; Djairlon Henrique Moura, ex-diretor de Operações; e Antônio Melo Schlichting Junior, ex-coordenador-geral de Combate ao Crime.

Ainda segundo a PF, todos são investigados por prevaricação (que é quando um servidor público deixa de exercer o seu dever); violência política (impedir, com emprego de violência física, sexual ou psicológica, o exercício de direitos políticos), e impedir ou atrapalhar a votação (crime previsto no Código Eleitoral).  

Siga a página do VGNotícias no Facebook e fique atualizado sobre as notícias em primeira mão (CLIQUE AQUI).

Entre no grupo do VGNotícias no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI).   

Comente esta notícia

icon facebook icon twitter icon instagram icon whatsapp

RUA CARLOS CASTILHO, Nº 50 - SALA 02 - JD. IMPERADOR VÁRZEA GRANDE / MT

(65) 3029-5760 | (65) 99957-5760