01 de Março de 2024.

  • ico-capa-01-facebook.png
  • ico-capa-01-twitter.png
  • ico-capa-01-whatsapp.png

Senado Quinta-feira, 13 de Julho de 2023, 15:37 - A | A

Quinta-feira, 13 de Julho de 2023, 15h:37 - A | A

Senado Federal

Senadores de Mato Grosso se manifestam contra extinção das Escolas Cívico-Militares

A medida impactará cerca de 200 escolas nas cinco regiões do Brasil.

Rojane Marta/Fatos de Brasília

Os senadores de Mato Grosso, Margareth Buzetti e Mauro Carvalho, se posicionaram contrários à decisão do Ministério da Educação (MEC) de extinguir o Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim) em todo o país. Essa medida impactará cerca de 200 escolas nas cinco regiões do Brasil. leia mais: Lula encerra programa das escolas cívico-militares: “Acaba a doutrina da obediência cega", diz deputado

A senadora Margareth Buzetti, do Bloco Parlamentar da Resistência Democrática, destacou sua experiência em um colégio estadual administrado por freiras, onde a disciplina era priorizada. Ela ressaltou que Mato Grosso possui várias escolas militares, que alcançaram os maiores índices no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Essas escolas funcionam de forma híbrida, com a parte pedagógica sendo conduzida por professores e a administração e disciplina a cargo de militares.

A senadora expressou sua perplexidade com a decisão do MEC, afirmando que é hora de focar na educação e colocá-la em primeiro lugar. Ela fez um apelo ao líder do Governo, senador Jaques Wagner, para que a norma seja revisada.

Por sua vez, o senador em exercício Mauro Carvalho Junior, do Bloco Parlamentar União Cristã, destacou a surpreendente unanimidade em relação à oposição à decisão do Ministério da Educação. Ele lamentou o teor do ofício número 4, emitido pelo MEC em 10 de julho de 2023, que menciona o início do processo de desmobilização das escolas cívico-militares em todo o Brasil.

Carvalho enfatizou que as escolas cívico-militares têm sido um sucesso incontestável, com os maiores índices no Ideb em todo o país. Ele ressaltou que essa modalidade de ensino é uma escolha, assim como escolas católicas e adventistas. Segundo o senador, os pais têm o direito de optar por uma escola cívico-militar, e não faz sentido encerrar um programa que tem tido muito êxito e que representa uma alternativa viável.

As declarações ocorreram em sessão deliberativa do Senado Federal, ocorrida nessa quarta-feira (12.07). O senador Jayme Campos não se manifestou sobre o tem até o momento.

Siga a página do VGNotícias no Facebook e fique atualizado sobre as notícias em primeira mão (CLIQUE AQUI).

Entre no grupo do VGNotícias no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI).   

Comente esta notícia

icon facebook icon twitter icon instagram icon whatsapp

RUA CARLOS CASTILHO, Nº 50 - SALA 02 - JD. IMPERADOR VÁRZEA GRANDE / MT

(65) 3029-5760 | (65) 99957-5760